Dra Géssica Moreira

@dragessicamoreira

  • 349 Posts
  • 4 384 Followers
👩‍⚕️Especialista | Saúde da Mulher 📚 Mestre e ♡ por ensinar 👩🏻‍💼Gestação|Pós-Parto|Sexualidade 💖 Vamos Juntas, para melhorar sua qualidade de vida
Qual a transformação que estamos gerando na vida das nossas pacientes?

Por meio da fisioterapia pélvica, a paciente sai do ponto A, que é onde ou como ela está hoje e vai ter a sua jornada até o ponto B, que é onde ou como a paciente quer ficar.

E geralmente essa transformação não envolve só não perder mais urina, não ter mais dor na relação, ou outra disfunção, mas sim, o que na vida dela isso vai mudar, por exemplo?

- O que a sua paciente deixou de fazer por conta das perdas de urina? Deixou a atividade física e está mais depressiva? Ela voltou a fazer a atividade física que ela gostava? Sem mais medo de perder urina?

- Sua paciente não consegue ter um bom relacionamento por conta da dor na relação? Ou ela não consegue engravidar por conta disso? Ela conseguiu melhorar sua autoestima após o tratamento? Conseguiu engravidar? 

Você já parou pra pensar nisso?
Pra mim, isso é muito mais importante do que só reduzir a quantidade de perda de urina.
Isso mostra o quanto podemos fazer a diferença na vida das pessoas.

E você deve estar se perguntando sobre o ponto C.
Ele corresponde ao ponto de agravamento dessa disfunção caso a paciente não vá para a fisioterapia pélvica ou interrompa seu tratamento.
Esse é o ponto que impede ela de chegar do ponto A ao B.
Explicar isso para a sua paciente é ponto chave do tratamento.

Fisio, me conta aqui: Quais as transformações mais incríveis que você já vivenciou no consultório?

 #vamosjuntas

Qual a transformação que estamos gerando na vida das nossas pacientes? Por meio da fisioterapia pélvica, a paciente sai do ponto A, que é onde ou como ela está hoje e vai ter a sua jornada até o ponto B, que é onde ou como a paciente quer ficar. E geralmente essa transformação não envolve só não perder mais urina, não ter mais dor na relação, ou outra disfunção, mas sim, o que na vida dela isso vai mudar, por exemplo? - O que a sua paciente deixou de fazer por conta das perdas de urina? Deixou a atividade física e está mais depressiva? Ela voltou a fazer a atividade física que ela gostava? Sem mais medo de perder urina? - Sua paciente não consegue ter um bom relacionamento por conta da dor na relação? Ou ela não consegue engravidar por conta disso? Ela conseguiu melhorar sua autoestima após o tratamento? Conseguiu engravidar? Você já parou pra pensar nisso? Pra mim, isso é muito mais importante do que só reduzir a quantidade de perda de urina. Isso mostra o quanto podemos fazer a diferença na vida das pessoas. E você deve estar se perguntando sobre o ponto C. Ele corresponde ao ponto de agravamento dessa disfunção caso a paciente não vá para a fisioterapia pélvica ou interrompa seu tratamento. Esse é o ponto que impede ela de chegar do ponto A ao B. Explicar isso para a sua paciente é ponto chave do tratamento. Fisio, me conta aqui: Quais as transformações mais incríveis que você já vivenciou no consultório? #vamosjuntas

16
0
25 days ago
⚠️ LIVE ⚠️

Amanhã eu vou receber aqui a @deisefisioterapeuta, que é osteopata, para falarmos sobre a terapia manual aplicada a saúde da mulher.
Eu e a Deise dividimos inúmeras pacientes e podemos ver na prática os benefícios dessas técnicas em várias disfunções que podem ocorrer na mulher.

Vou deixar uma caixinha de perguntas lá nos stories que serão respondidas durante a live.

Aguardamos vocês!

📍Anota na agenda: Terça-feira 24/08 ás 20:30.

 #vamosjuntas

⚠️ LIVE ⚠️ Amanhã eu vou receber aqui a @deisefisioterapeuta, que é osteopata, para falarmos sobre a terapia manual aplicada a saúde da mulher. Eu e a Deise dividimos inúmeras pacientes e podemos ver na prática os benefícios dessas técnicas em várias disfunções que podem ocorrer na mulher. Vou deixar uma caixinha de perguntas lá nos stories que serão respondidas durante a live. Aguardamos vocês! 📍Anota na agenda: Terça-feira 24/08 ás 20:30. #vamosjuntas

34
2
25 days ago
Fisio, quero te fazer uma pergunta: Você acha que a sua dedicação deve ser só no momento do consultório com a sua paciente?

Sinto te informar que a nossa dedicação vai muito além do que a gente entrega no momento do atendimento.
Isso é muito importante sim, mas vários outros fatores importam e muito:

Quantos artigos você leu essa semana? 
Quantas horas do seu dia você reserva para estudar e se atualizar? 

E dai você me diz, mas Gé não tenho dinheiro pra fazer cursos. E eu te respondo: A informação não está no dinheiro que você paga, mas sim aonde você a procura. E hoje com a internet, a informação está a um clique de distância, basta saber encontrá-la.

Escutei uma vez de uma professora que o profissional da saúde teria que estudar durante a vida toda.
E é isso mesmo, por isso que devemos gostar de buscar conhecimento.

Vejo muitos colegas parando no tempo, usando a desculpa de não ter tempo.
Mas só depende da gente priorizar um tempo de estudo, marcar lá na agenda ESTUDAR, se não, vão surgir outros "compromissos" e lá se acaba mais um dia, mais uma semana.

Se hoje você fosse dar uma nota pra sua busca de conhecimento, qual seria (de 0 a 10)?
E qual a desculpa que você mais usa para não estudar?

 #vamosjuntas

Fisio, quero te fazer uma pergunta: Você acha que a sua dedicação deve ser só no momento do consultório com a sua paciente? Sinto te informar que a nossa dedicação vai muito além do que a gente entrega no momento do atendimento. Isso é muito importante sim, mas vários outros fatores importam e muito: Quantos artigos você leu essa semana? Quantas horas do seu dia você reserva para estudar e se atualizar? E dai você me diz, mas Gé não tenho dinheiro pra fazer cursos. E eu te respondo: A informação não está no dinheiro que você paga, mas sim aonde você a procura. E hoje com a internet, a informação está a um clique de distância, basta saber encontrá-la. Escutei uma vez de uma professora que o profissional da saúde teria que estudar durante a vida toda. E é isso mesmo, por isso que devemos gostar de buscar conhecimento. Vejo muitos colegas parando no tempo, usando a desculpa de não ter tempo. Mas só depende da gente priorizar um tempo de estudo, marcar lá na agenda ESTUDAR, se não, vão surgir outros "compromissos" e lá se acaba mais um dia, mais uma semana. Se hoje você fosse dar uma nota pra sua busca de conhecimento, qual seria (de 0 a 10)? E qual a desculpa que você mais usa para não estudar? #vamosjuntas

36
8
29 days ago
Primeiro, o que é aBexiga hiperativa? 
É definida como urgência, com ou sem incontinência urinária de urgência (UUI), geralmente acompanhada de aumento da frequência urinária e noctúria, na ausência de infecção do trato urinário.

Segundo, quais são os tratamentos utilizados nesse caso?
- Primeira linha de tratamento:  estimulação elétrica e terapia comportamental, como modificações no estilo de vida (restrição da cafeína, cessação do tabagismo, bem como tempo e volume de ingestão de líquidos / alimentos, atividade física e perda de peso), treinamento vesical, treinamento muscular do assoalho pélvico com ou sem biofeedback
- Segunda linha de tratamento: medicamentos
- Terceira linha de tratamento: tratamento que neuromodulam ou quimiodenervam a bexiga.

Um estudo de 2020 avaliou a eficácia do uso único e combinado das terapias de primeira linha de tratamento na qualidade de vida relacionada à incontinência e parâmetros clínicos em mulheres com bexiga hiperativa idiopática, 70 mulheres foram alocadas em 4 grupos:
- Grupo 1 (n = 18): treinamento vesical - educação + treinamento dos músculos do assoalho pélvico para inibir as contrações do detrusor + micções programadas
- Grupo 2 (n = 17): Treinamento vesical + Treinamento dos músculos do assoalho pélvico por meio do biofeedback (três vezes por semana, durante 8 semanas - cada sessão durou 20 min e consistiu em 40 ciclos de 10 s de contração seguidos por 20 s de relaxamento)
- Grupo 3 (n = 18): Treinamento vesical + Eletroestimulação intravaginal (três vezes por semana, durante 8 semanas - 20min – Parâmetros: frequência de 10 Hz, um ciclo de descanso de trabalho de 5 a 10 s, e largura de pulso de 100ms, intensidade controlada de acordo com o nível de desconforto dos pacientes)
- Grupo 4 (n = 17): Treinamento vesical + Eletroestimulação intravaginal + Biofeedback (três vezes por semana, durante 8 semanas - 40 min: 20 min para BF e 20 min para ES).

[Continua nos comentários]

Primeiro, o que é aBexiga hiperativa? É definida como urgência, com ou sem incontinência urinária de urgência (UUI), geralmente acompanhada de aumento da frequência urinária e noctúria, na ausência de infecção do trato urinário. Segundo, quais são os tratamentos utilizados nesse caso? - Primeira linha de tratamento: estimulação elétrica e terapia comportamental, como modificações no estilo de vida (restrição da cafeína, cessação do tabagismo, bem como tempo e volume de ingestão de líquidos / alimentos, atividade física e perda de peso), treinamento vesical, treinamento muscular do assoalho pélvico com ou sem biofeedback - Segunda linha de tratamento: medicamentos - Terceira linha de tratamento: tratamento que neuromodulam ou quimiodenervam a bexiga. Um estudo de 2020 avaliou a eficácia do uso único e combinado das terapias de primeira linha de tratamento na qualidade de vida relacionada à incontinência e parâmetros clínicos em mulheres com bexiga hiperativa idiopática, 70 mulheres foram alocadas em 4 grupos: - Grupo 1 (n = 18): treinamento vesical - educação + treinamento dos músculos do assoalho pélvico para inibir as contrações do detrusor + micções programadas - Grupo 2 (n = 17): Treinamento vesical + Treinamento dos músculos do assoalho pélvico por meio do biofeedback (três vezes por semana, durante 8 semanas - cada sessão durou 20 min e consistiu em 40 ciclos de 10 s de contração seguidos por 20 s de relaxamento) - Grupo 3 (n = 18): Treinamento vesical + Eletroestimulação intravaginal (três vezes por semana, durante 8 semanas - 20min – Parâmetros: frequência de 10 Hz, um ciclo de descanso de trabalho de 5 a 10 s, e largura de pulso de 100ms, intensidade controlada de acordo com o nível de desconforto dos pacientes) - Grupo 4 (n = 17): Treinamento vesical + Eletroestimulação intravaginal + Biofeedback (três vezes por semana, durante 8 semanas - 40 min: 20 min para BF e 20 min para ES). [Continua nos comentários]

62
4
30 days ago
A noctúria é definida como a necessidade de o indivíduo acordar a noite para urinar uma ou mais vezes, seguir. 

A prevalência de noctúria está associada ao envelhecimento e afeta homens e mulheres. 

A incidência é de 0,4% em adultos com menos de 40 anos, 2,8% entre 40–59 anos e 11,5% com mais de 60 anos. 

Mas não se restringe só a esse público e afeta muito as gestantes, principalmente pela redução da capacidade de armazenamento da bexiga.

É considerado um sintoma do trato urinário inferior de origem multifatorial que envolve quatro mecanismos fisiopatológicos principais: poliúria noturna, poliúria global, capacidade noturna da bexiga reduzida e deficiências do sono, especialmente quando a necessidade de urinar ocorre mais de duas vezes por noite, interrompendo e afetando a qualidade do sono e de vida. 

Pode ser associada ao sono não restaurador em mulheres na peri e pós-menopausa. 

E algumas comorbidades podem estar associadas com a noctúria, como a artrite, asma, câncer de bexiga, ansiedade crônica, depressão, diabetes, doença cardíaca, hipertensão, cistite intersticial, doença do intestino irritável e condições neurológicas.

Existem alguns tratamento pra essa disfunção, entre eles o treinamento dos músculos do assoalho pélvico, eletroestimulação e alterações comportamentais.

Você tem ido ao banheiro durante a noite? Me conta!

 #vamosjuntas

A noctúria é definida como a necessidade de o indivíduo acordar a noite para urinar uma ou mais vezes, seguir. A prevalência de noctúria está associada ao envelhecimento e afeta homens e mulheres. A incidência é de 0,4% em adultos com menos de 40 anos, 2,8% entre 40–59 anos e 11,5% com mais de 60 anos. Mas não se restringe só a esse público e afeta muito as gestantes, principalmente pela redução da capacidade de armazenamento da bexiga. É considerado um sintoma do trato urinário inferior de origem multifatorial que envolve quatro mecanismos fisiopatológicos principais: poliúria noturna, poliúria global, capacidade noturna da bexiga reduzida e deficiências do sono, especialmente quando a necessidade de urinar ocorre mais de duas vezes por noite, interrompendo e afetando a qualidade do sono e de vida. Pode ser associada ao sono não restaurador em mulheres na peri e pós-menopausa. E algumas comorbidades podem estar associadas com a noctúria, como a artrite, asma, câncer de bexiga, ansiedade crônica, depressão, diabetes, doença cardíaca, hipertensão, cistite intersticial, doença do intestino irritável e condições neurológicas. Existem alguns tratamento pra essa disfunção, entre eles o treinamento dos músculos do assoalho pélvico, eletroestimulação e alterações comportamentais. Você tem ido ao banheiro durante a noite? Me conta! #vamosjuntas

35
5
a month ago
Já que eu recebi inúmeras perguntas no direct, achei melhor trazer pra você o que as evidências nos mostram:

A pré-reabilitação (PREHAB) é definida como o processo de melhoria da capacidade funcional de um indivíduo antes de um procedimento cirúrgico, a fim de reduzir potenciais complicações e melhorar o sucesso cirúrgico.

Constitui um dos pontos-chave do sucesso cirúrgico.

Alguns estudos mostram que melhorar a função dos músculos do assoalho pélvico pode influenciar positivamente outros tratamentos não conservadores, incluindo os resultados de procedimentos cirúrgicos.

Fraca força muscular do assoalho pélvico foi um forte preditor de resultados cirúrgicos ruins após a prostatectomia radical assistida por robô.

Força normal da contração dos elevadores do ânus está associado a risco reduzido de prolapso de órgão pélvico recorrente. 

Recorrência de prolapso da parede vaginal anterior foi significativamente maior em mulheres com força ausente (contrações não detectáveis) em comparação com aquelas com fraca ou boa força muscular.

Dentre alguns benefícios do acompanhamento pré- cirúrgico já encontrados, estão:
- Alterações histológicas nos músculos da pelve: o diâmetro transversal das fibras musculares foi aumentada em indivíduos submetidos a treinamento muscular do assoalho pélvico no pré-cirúrgico
- Redução dos sintomas urinários 
- Melhora da qualidade de vida
- Maior contração máxima dos músculos do assoalho pélvico no pós cirúrgico 
- Menor frequência diária de micções
- Menos absorventes usados ao longo do dia

E aqui estou falando de qualquer cirurgia na região pélvica ou próxima a ela, até uma cesariana (o que justifica e muito, o trabalho da fisioterapia pélvica nesses casos).

E no seu consultório, você recebe pacientes no pré e pós operatório? Me conta qual a sua conduta!

 #vamosjuntas

Já que eu recebi inúmeras perguntas no direct, achei melhor trazer pra você o que as evidências nos mostram: A pré-reabilitação (PREHAB) é definida como o processo de melhoria da capacidade funcional de um indivíduo antes de um procedimento cirúrgico, a fim de reduzir potenciais complicações e melhorar o sucesso cirúrgico. Constitui um dos pontos-chave do sucesso cirúrgico. Alguns estudos mostram que melhorar a função dos músculos do assoalho pélvico pode influenciar positivamente outros tratamentos não conservadores, incluindo os resultados de procedimentos cirúrgicos. Fraca força muscular do assoalho pélvico foi um forte preditor de resultados cirúrgicos ruins após a prostatectomia radical assistida por robô. Força normal da contração dos elevadores do ânus está associado a risco reduzido de prolapso de órgão pélvico recorrente. Recorrência de prolapso da parede vaginal anterior foi significativamente maior em mulheres com força ausente (contrações não detectáveis) em comparação com aquelas com fraca ou boa força muscular. Dentre alguns benefícios do acompanhamento pré- cirúrgico já encontrados, estão: - Alterações histológicas nos músculos da pelve: o diâmetro transversal das fibras musculares foi aumentada em indivíduos submetidos a treinamento muscular do assoalho pélvico no pré-cirúrgico - Redução dos sintomas urinários - Melhora da qualidade de vida - Maior contração máxima dos músculos do assoalho pélvico no pós cirúrgico - Menor frequência diária de micções - Menos absorventes usados ao longo do dia E aqui estou falando de qualquer cirurgia na região pélvica ou próxima a ela, até uma cesariana (o que justifica e muito, o trabalho da fisioterapia pélvica nesses casos). E no seu consultório, você recebe pacientes no pré e pós operatório? Me conta qual a sua conduta! #vamosjuntas

33
1
a month ago
Como eu amo receber no meu consultório as mamães, que chegam ali cheias de alegrias, medos, incertezas, mas cheias de emoção e amor por aquele bebezinho que cresce a cada dia.
Bebezinhos, muitas vezes planejados, e suuuuper esperados.

Acompanhá-las durante todo esse momento enche o meu coração de alegrias 💗 podendo ver o surgimento de mulheres fortes, guerreiras e mães incríveis. 💕🤰🏻

Acompanho também muitas tentantes, que um dia poderão ter o seu momento de gestação.
E nessa semana, uma das minhas tentantes, tiveram o seu tão esperado positivo, com um bebê arco-íris 🌈 pra preencher suas vidas com essa cor e luz.
Pulamos de alegria por esse momento tão feliz e esperado.

Torço de coração, pra que todas essas mulheres que buscam o positivo, possam ter esse momento de felicidade.

Um feliz dia da gestante! 🤰

 #vamosjuntas

Como eu amo receber no meu consultório as mamães, que chegam ali cheias de alegrias, medos, incertezas, mas cheias de emoção e amor por aquele bebezinho que cresce a cada dia. Bebezinhos, muitas vezes planejados, e suuuuper esperados. Acompanhá-las durante todo esse momento enche o meu coração de alegrias 💗 podendo ver o surgimento de mulheres fortes, guerreiras e mães incríveis. 💕🤰🏻 Acompanho também muitas tentantes, que um dia poderão ter o seu momento de gestação. E nessa semana, uma das minhas tentantes, tiveram o seu tão esperado positivo, com um bebê arco-íris 🌈 pra preencher suas vidas com essa cor e luz. Pulamos de alegria por esse momento tão feliz e esperado. Torço de coração, pra que todas essas mulheres que buscam o positivo, possam ter esse momento de felicidade. Um feliz dia da gestante! 🤰 #vamosjuntas

33
1
a month ago
Sabadou com S de SOLTA essa PELVE!

Dia de colocar o rebolado em dia!

Pode ser na bola, em pé, do jeito que você quiser.

E não esquece de convidar as amigas pra rebolar junto!

 #vamosjuntas

Sabadou com S de SOLTA essa PELVE! Dia de colocar o rebolado em dia! Pode ser na bola, em pé, do jeito que você quiser. E não esquece de convidar as amigas pra rebolar junto! #vamosjuntas

43
0
a month ago
Finalizando o dia com lembretes bem importantes:

1. HOJE é Sexta-feira 13
2. Aproveito esse número pra ter dar 13 razões pra você buscar uma fisioterapeuta pélvica!

 #vamosjuntas

Finalizando o dia com lembretes bem importantes: 1. HOJE é Sexta-feira 13 2. Aproveito esse número pra ter dar 13 razões pra você buscar uma fisioterapeuta pélvica! #vamosjuntas

17
0
a month ago
A palpação vaginal é um dos métodos mais utilizados para avaliar a função dos músculos do assoalho pélvico, mas não está claro qual método de palpação é o mais confiável.

Um estudo de 2020, com 187 mulheres, com o objetivo de identificar a confiabilidade inter* e intraexaminadores** da palpação vaginal unidigital e bidigital, relacionadas a vários fatores de risco e disfunções do assoalho pélvico.
*Interexaminadores: entre dois avaliadores diferentes

**Intraexaminadores: comparando com o mesmo avaliador em dois momentos diferentes

E vamos aos resultados:

Quando um examinador realiza a avaliação em dias diferentes, recomenda-se o uso da palpação vaginal bidigital em mulheres com baixo peso e obesas na pós-menopausa mulheres multíparas e mulheres com prolapso e constipação. 

Ambos os tipos de palpação vaginal são recomendados para a avaliação de mulheres com peso saudável e sobrepeso, e mulheres na pós-menopausa. 

Quando dois examinadores executam palpação vaginal, os resultados deste estudo apóiam o uso de palpação vaginal unidigital na avaliação de mulheres com baixo peso, multíparas e mulheres com prolapso ou sem disfunções de assoalho pélvico. 

Por outro lado, a palpação bidigital é recomendada para avaliação de nulíparas, mulheres com sobrepeso, pós-menopausa e multíparas.

A palpação bidigital também é indicada ao avaliar mulheres com constipação, Incontinência urinária de urgência e dor pélvica.

Os pesquisadores ainda recomendam no estudo, que a palpação bidigital pode aumentar a contração dos músculos do assoalho pélvico, pois o estímulo proprioceptivo é constante para as mulheres durante a palpação. 

Na minha prática, isso depende muito da disfunção e da abertura do introito v4g.inal, e principalmente em mulheres com dispareunia e vaginismo, eu utilizo o toque unidigital.

E você? Qual tipo de toque utiliza?

 #vamosjuntas

A palpação vaginal é um dos métodos mais utilizados para avaliar a função dos músculos do assoalho pélvico, mas não está claro qual método de palpação é o mais confiável. Um estudo de 2020, com 187 mulheres, com o objetivo de identificar a confiabilidade inter* e intraexaminadores** da palpação vaginal unidigital e bidigital, relacionadas a vários fatores de risco e disfunções do assoalho pélvico. *Interexaminadores: entre dois avaliadores diferentes **Intraexaminadores: comparando com o mesmo avaliador em dois momentos diferentes E vamos aos resultados: Quando um examinador realiza a avaliação em dias diferentes, recomenda-se o uso da palpação vaginal bidigital em mulheres com baixo peso e obesas na pós-menopausa mulheres multíparas e mulheres com prolapso e constipação. Ambos os tipos de palpação vaginal são recomendados para a avaliação de mulheres com peso saudável e sobrepeso, e mulheres na pós-menopausa. Quando dois examinadores executam palpação vaginal, os resultados deste estudo apóiam o uso de palpação vaginal unidigital na avaliação de mulheres com baixo peso, multíparas e mulheres com prolapso ou sem disfunções de assoalho pélvico. Por outro lado, a palpação bidigital é recomendada para avaliação de nulíparas, mulheres com sobrepeso, pós-menopausa e multíparas. A palpação bidigital também é indicada ao avaliar mulheres com constipação, Incontinência urinária de urgência e dor pélvica. Os pesquisadores ainda recomendam no estudo, que a palpação bidigital pode aumentar a contração dos músculos do assoalho pélvico, pois o estímulo proprioceptivo é constante para as mulheres durante a palpação. Na minha prática, isso depende muito da disfunção e da abertura do introito v4g.inal, e principalmente em mulheres com dispareunia e vaginismo, eu utilizo o toque unidigital. E você? Qual tipo de toque utiliza? #vamosjuntas

45
9
a month ago
Pasmem, não existe um padrão de ficha de avaliação até hoje para a fisioterapia pélvica.

Claro, que isso não é tão ruim quando se trata de cada profissional ter uma vivência, cursos, que vão agregando a sua ficha.

Por outro lado, quando partimos para comparações, discussões de caso, artigos, é mais complicado, porque não conseguimos comparar a mesma paciente, avaliada por dois profissionais diferentes.

Até quando queremos encaminhar uma paciente, essa questão vem a tona, por que muitas vezes, o profissional tem dificuldade em comparar o antes e depois da paciente.

Temos alguns guias que norteiam a nossa prática e que colocam alguns pontos chaves que devem ter em toda a avaliação, são eles:
📌 Coleta de informações sobre a história da disfunção atual e pregressa;
📌 Avaliação da severidade da disfunção;
📌 Identificação da possível natureza da disfunção;
📌 Identificação de fatores pessoais, ginecológicos, obstetricos, urológicos, coloproctologicos, sexuais e estilo de vida
📌 Exame físico: inspeção estática e dinâmica, palpação estática e dinâmica

O que tem na sua ficha além desses pontos chaves? Coloca aqui pra gente discutir.

 #vamosjuntas

Pasmem, não existe um padrão de ficha de avaliação até hoje para a fisioterapia pélvica. Claro, que isso não é tão ruim quando se trata de cada profissional ter uma vivência, cursos, que vão agregando a sua ficha. Por outro lado, quando partimos para comparações, discussões de caso, artigos, é mais complicado, porque não conseguimos comparar a mesma paciente, avaliada por dois profissionais diferentes. Até quando queremos encaminhar uma paciente, essa questão vem a tona, por que muitas vezes, o profissional tem dificuldade em comparar o antes e depois da paciente. Temos alguns guias que norteiam a nossa prática e que colocam alguns pontos chaves que devem ter em toda a avaliação, são eles: 📌 Coleta de informações sobre a história da disfunção atual e pregressa; 📌 Avaliação da severidade da disfunção; 📌 Identificação da possível natureza da disfunção; 📌 Identificação de fatores pessoais, ginecológicos, obstetricos, urológicos, coloproctologicos, sexuais e estilo de vida 📌 Exame físico: inspeção estática e dinâmica, palpação estática e dinâmica O que tem na sua ficha além desses pontos chaves? Coloca aqui pra gente discutir. #vamosjuntas

15
2
a month ago
Quais desses erros você já cometeu? 

Espero que com esse post eu tenha aberto seus olhinhos.

Me conta nos comentários pra eu poder te ajudar!

 #vamosjuntas

Quais desses erros você já cometeu? Espero que com esse post eu tenha aberto seus olhinhos. Me conta nos comentários pra eu poder te ajudar! #vamosjuntas

69
13
a month ago