Jaque Machado Advogada

@jaquelinemachadoadvocacia

  • 417 Posts
  • 3 716 Followers
Consultoria e assessoria OABRS90642 🎯FACILITO a transformação de conflitos em soluções 👩‍❤️‍💋‍👩MENTORA de carreira e comunicação
Listei cinco momentos em que colegas quase desistiram da advocacia e fiz esse post, mas deram a volta. Vamos conferir?

1- ganhava pouco como contratada
Uma colega chutou o balde e após muitos anos trabalhando para outros escritórios tomou a coragem máxima: pediu demissão e começou uma jornada como autônoma. Segundo ela não foi fácil tomar essa decisão, mas hoje está muito feliz!

2- Desilusão 
A Desilusão é algo que tomou conta de mim em 2017 e pensei fortemente que a advocacia não me fazia feliz mais. Mas estava completamente errada! O que faltava era compreender como construir a minha própria advocacia. Daí surgiu minha postura humanizada, a advocacia consultiva, o trabalho  com engajamento social, a visão de valores que estruturam a caminhada de hoje, pautada pela mediação de conflitos e pela escolha das áreas onde o coração batia forte, mas sempre alicerçada no meu diferencial.

3- pouco fluxo 
calma! Isso é muito frustrante. Mas você precisa enxergar onde está o problema primeiro: você está cobrando honorários corretamente? Seus clientes estão pagando? Suas despesas estão alinhadas com a entrada? Você está atuando onde tem paixão? Responda a essas perguntas e faça sua advocacia ressurgir como uma fênix.

4- processos demorados
Pense: como evitar processos demorados?
Não tendo processos! Pense no sistema multiportas e como ele pode melhorar o seu fluxo de entrega de soluções. Pense em como a advocacia extrajudicial pode te ajudar a entregar resoluções mais rápidas e eficazes para o seu cliente. Você receberá elogios pela eficiência (e honorários) rapidamente!

5- não é para mim
Opa! Como assim? Você estudou e fez estágio e foi advogar e acha que não é para você? Exatamente, o quê te incomoda? Perceba o que é e parta para adequar sua atuação a isso. Não gosta do contencioso? Se especialize na área extrajudicial! Não gosta de audiência? Você pode trabalhar no setor imobiliário e em condomínios! Não se adapta com rotina? A advocacia de apoio tem uma ótima dinâmica! Existem muitas opções, basta você procurar conhecer um tantinho a si e ao mercado e ver como tudo pode ser diferente mesmo na mesma profissão!
E vc, já teve “momentos”?

 #adv  #advogada

Listei cinco momentos em que colegas quase desistiram da advocacia e fiz esse post, mas deram a volta. Vamos conferir? 1- ganhava pouco como contratada Uma colega chutou o balde e após muitos anos trabalhando para outros escritórios tomou a coragem máxima: pediu demissão e começou uma jornada como autônoma. Segundo ela não foi fácil tomar essa decisão, mas hoje está muito feliz! 2- Desilusão A Desilusão é algo que tomou conta de mim em 2017 e pensei fortemente que a advocacia não me fazia feliz mais. Mas estava completamente errada! O que faltava era compreender como construir a minha própria advocacia. Daí surgiu minha postura humanizada, a advocacia consultiva, o trabalho com engajamento social, a visão de valores que estruturam a caminhada de hoje, pautada pela mediação de conflitos e pela escolha das áreas onde o coração batia forte, mas sempre alicerçada no meu diferencial. 3- pouco fluxo calma! Isso é muito frustrante. Mas você precisa enxergar onde está o problema primeiro: você está cobrando honorários corretamente? Seus clientes estão pagando? Suas despesas estão alinhadas com a entrada? Você está atuando onde tem paixão? Responda a essas perguntas e faça sua advocacia ressurgir como uma fênix. 4- processos demorados Pense: como evitar processos demorados? Não tendo processos! Pense no sistema multiportas e como ele pode melhorar o seu fluxo de entrega de soluções. Pense em como a advocacia extrajudicial pode te ajudar a entregar resoluções mais rápidas e eficazes para o seu cliente. Você receberá elogios pela eficiência (e honorários) rapidamente! 5- não é para mim Opa! Como assim? Você estudou e fez estágio e foi advogar e acha que não é para você? Exatamente, o quê te incomoda? Perceba o que é e parta para adequar sua atuação a isso. Não gosta do contencioso? Se especialize na área extrajudicial! Não gosta de audiência? Você pode trabalhar no setor imobiliário e em condomínios! Não se adapta com rotina? A advocacia de apoio tem uma ótima dinâmica! Existem muitas opções, basta você procurar conhecer um tantinho a si e ao mercado e ver como tudo pode ser diferente mesmo na mesma profissão! E vc, já teve “momentos”? #adv #advogada

15
1
4 months ago
Todos nós já sabíamos que isso era uma vedação. O provimento 205/2021 manteve a orientação do provimento 94 em relação a vedação a referência, direta ou indireta, a valores de honorários, forma de pagamento, gratuidade ou descontos e reduções de preços como forma de captação de clientes.

Ou seja, não é possível revelar essas informações para atrair clientes ou induzir com essas informações pessoas a contratarem seus serviços.

Durante a semana vamos falar como publicizar adequadamente as espécies de advocacia, somo a social, por exemplo, sem infringir as regras do código de ética.

Todos nós já sabíamos que isso era uma vedação. O provimento 205/2021 manteve a orientação do provimento 94 em relação a vedação a referência, direta ou indireta, a valores de honorários, forma de pagamento, gratuidade ou descontos e reduções de preços como forma de captação de clientes. Ou seja, não é possível revelar essas informações para atrair clientes ou induzir com essas informações pessoas a contratarem seus serviços. Durante a semana vamos falar como publicizar adequadamente as espécies de advocacia, somo a social, por exemplo, sem infringir as regras do código de ética.

14
0
4 months ago
HOMEOFFICE  #tbt

 Pseudoprocrastinação x ansiedade x aumento de trabalho.

“Querido diário, hoje procrastinei. Me senti culpada. Me diga como melhorar!”

É uma conversa ótima para tbt, não é?!

Não foi hoje, não foi ontem. Essa conversa é de muitos de nós todo dia. 

As vezes o trabalho sai na força do ódio, as vezes do amor, as vezes do prazo.

Isso é sinônimo de que você não é bom no que faz? Isso é sinônimo de que você é preguiçoso? Ou é sinônimo de que você está desorganizado?

Pode ser tudo isso e nada disso!

No meu caso é ansiedade, todas as vezes é ansiedade, um presente da advocacia, com amor, desde 2016.

Sim.
Precisamos falar sobre ansiedade, sobre stress, sobre aumento da carga de trabalho na crise social em que vivemos.

Sabe como me convenço de que não sou nada disso aí de cima? Olhando minha taxa de permanência no Google drive, os prazos feitos, os retornos de clientes, olho para o lado que me traz a verdade: estou trabalhando demais.

Nós estamos sobrecarregados!

Segundo um estudo publicado na revista Plos One, questões relacionadas ao trabalho impactam os níveis de estresse, consumo de álcool e atritos de profissionais da área jurídica de forma diferente de acordo com o gênero.

Avaliando as respostas, 67% dos participantes afirmaram trabalhar mais de 40 horas por semana – para 25%, o número subiu para 51 horas semanais na pandemia. Além disso, os profissionais mais jovens tinham de 2 a 4 vezes mais probabilidade de ter níveis de estresse moderado ou alto do que os mais velhos.

O alto envolvimento com o trabalho se mostrou associado aos níveis de estresse entre homens e mulheres. No entanto, a relação foi ainda maior entre as advogadas. Além disso, 56% das mulheres relataram consumo perigoso de álcool, enquanto entre os homens a proporção caiu para 46%. Em se tratando de consumo altamente perigoso, a proporção entre as advogadas e os advogados foi de 34% e 25%, respectivamente.

Uma solução para diminuir a carga de trabalho foi posicionar a advocacia. Agora preciso saltar e em breve vou mostrar aqui como.

Fonte: olhar digital.

 #adv  #advogada

HOMEOFFICE #tbt Pseudoprocrastinação x ansiedade x aumento de trabalho. “Querido diário, hoje procrastinei. Me senti culpada. Me diga como melhorar!” É uma conversa ótima para tbt, não é?! Não foi hoje, não foi ontem. Essa conversa é de muitos de nós todo dia. As vezes o trabalho sai na força do ódio, as vezes do amor, as vezes do prazo. Isso é sinônimo de que você não é bom no que faz? Isso é sinônimo de que você é preguiçoso? Ou é sinônimo de que você está desorganizado? Pode ser tudo isso e nada disso! No meu caso é ansiedade, todas as vezes é ansiedade, um presente da advocacia, com amor, desde 2016. Sim. Precisamos falar sobre ansiedade, sobre stress, sobre aumento da carga de trabalho na crise social em que vivemos. Sabe como me convenço de que não sou nada disso aí de cima? Olhando minha taxa de permanência no Google drive, os prazos feitos, os retornos de clientes, olho para o lado que me traz a verdade: estou trabalhando demais. Nós estamos sobrecarregados! Segundo um estudo publicado na revista Plos One, questões relacionadas ao trabalho impactam os níveis de estresse, consumo de álcool e atritos de profissionais da área jurídica de forma diferente de acordo com o gênero. Avaliando as respostas, 67% dos participantes afirmaram trabalhar mais de 40 horas por semana – para 25%, o número subiu para 51 horas semanais na pandemia. Além disso, os profissionais mais jovens tinham de 2 a 4 vezes mais probabilidade de ter níveis de estresse moderado ou alto do que os mais velhos. O alto envolvimento com o trabalho se mostrou associado aos níveis de estresse entre homens e mulheres. No entanto, a relação foi ainda maior entre as advogadas. Além disso, 56% das mulheres relataram consumo perigoso de álcool, enquanto entre os homens a proporção caiu para 46%. Em se tratando de consumo altamente perigoso, a proporção entre as advogadas e os advogados foi de 34% e 25%, respectivamente. Uma solução para diminuir a carga de trabalho foi posicionar a advocacia. Agora preciso saltar e em breve vou mostrar aqui como. Fonte: olhar digital. #adv #advogada

44
1
4 months ago
5 teses sobre responsabilidade civil para você aplicar.

5 teses sobre responsabilidade civil para você aplicar.

30
1
4 months ago
Nada de propaganda paga.

Aqui é uma divulgação para quem está procurando otimizar e tornar seu serviço mais eficiente.

A ferramenta de gestão, chamada de software jurídico, é uma ótima opção.

Antes de determinar qual o mais adequado, você precisa saber:

Quais as suas prioridades neste momento;
Quais os recursos disponíveis neste momento;
O que precisa ser realizado a distância;
Quem precisa acessar as informações;
Quais os processos envolvidos.

Respondendo a essas perguntas você vai ter uma ideia do quanto isso é relevante para você.

No meu caso, a agenda da nuvem não resolve mais minhas questões e a de papel se tornou uma ferramenta não muito útil. Preciso de informações automáticas e um lugar para alimentar tudo que fica espalhado pelo computador.

Isso se tornou essencial.

Procure ferramentas gratuitas e se quiserem uma dica de qual use, venham falar comigo no privado que posso indicar algumas que testei gratuitamente ou são disponibilizadas com muitos recursos sem pagamento.

Você já usa alguma?

 #adv  #gestao  #advocacia  #jovemadvocacia

Nada de propaganda paga. Aqui é uma divulgação para quem está procurando otimizar e tornar seu serviço mais eficiente. A ferramenta de gestão, chamada de software jurídico, é uma ótima opção. Antes de determinar qual o mais adequado, você precisa saber: Quais as suas prioridades neste momento; Quais os recursos disponíveis neste momento; O que precisa ser realizado a distância; Quem precisa acessar as informações; Quais os processos envolvidos. Respondendo a essas perguntas você vai ter uma ideia do quanto isso é relevante para você. No meu caso, a agenda da nuvem não resolve mais minhas questões e a de papel se tornou uma ferramenta não muito útil. Preciso de informações automáticas e um lugar para alimentar tudo que fica espalhado pelo computador. Isso se tornou essencial. Procure ferramentas gratuitas e se quiserem uma dica de qual use, venham falar comigo no privado que posso indicar algumas que testei gratuitamente ou são disponibilizadas com muitos recursos sem pagamento. Você já usa alguma? #adv #gestao #Advocacia #jovemadvocacia

22
0
4 months ago
O § 1º do art. 319 do CPC determina a busca de informações da qualificação do réu, mediante requerimento ao juiz.
Mas ainda é comum que magistrados imponham condições para a da busca judicial e é justamente sobre isso que vamos conversar!

REDES SOCIAIS
As redes sociais estão cheias de informação.Procure:endereço de trabalho e residencial no face, tem réu que faz checkin em casa, comércios, sogra, vizinho. Procure por fotografias de automóveis e busque as placas (com elas é possível extrair certidões no detran ou CRVA), fotos em lugares públicos que você possa identificar (pode descobrir a cidade, o bairro ou a rua onde mora). Caso não tenha perfil, procure o do cônjuge, filhos, netos e amigos. Procure por fotografias na frente no imóvel onde tenha destaque a fachada.

Conseguiu fotos com alguma informação no Face? Vídeos de festa ou em locais públicos? Checkins? Imagens de bens rastreáveis? Nome de filhos ou Cônjuge que pode ser consultado? Alguém possui comércio ou negócio registrado no seu núcleo familiar? Vamos trabalhar essas informações!

Bens rastreáveis: 
carros, motocicletas, caminhões podem ser rastreados através do DETRAN e CRVA, pôde-se ir atrás de certidões de propriedade e requerer a investigação em juízo! Consulte nos cartórios de imóveis da sua cidade.

Endereço próximo:
Algumas fotos são marcadas no Face e a informação da localização aparece na postagem. Muros ou fachadas de comércios que apareçam nas fotos ajudam muito na identificação do endereço próximo.
Caso consiga esse endereço próximo, vá ao bairro e pergunte pelo réu, a informação vem rapidinho!

Cadastros: 
plataformas seguras e confiáveis de busca de emprego ou rede social profissional ajudam muito na obtenção do endereço. Consulte os dados do réu junto ao seu órgão de classe. LinkedIn, plataforma Lattes, site da transparência (para servidores). Vale lembrar da consulta no cartório de protestos.

Se nada disso funcionar, vou ensinar 
COMO CONSEGUIR ESSAS INFORMAÇÕES NO MODO HARD.

 #adv  #direito  #direitoporamor  #advogada  #advogadacivel  #advogadacorrespondente  #correspondentejuridico  #advocaciadeapoio  #localizador

O § 1º do art. 319 do CPC determina a busca de informações da qualificação do réu, mediante requerimento ao juiz. Mas ainda é comum que magistrados imponham condições para a da busca judicial e é justamente sobre isso que vamos conversar! REDES SOCIAIS As redes sociais estão cheias de informação.Procure:endereço de trabalho e residencial no face, tem réu que faz checkin em casa, comércios, sogra, vizinho. Procure por fotografias de automóveis e busque as placas (com elas é possível extrair certidões no detran ou CRVA), fotos em lugares públicos que você possa identificar (pode descobrir a cidade, o bairro ou a rua onde mora). Caso não tenha perfil, procure o do cônjuge, filhos, netos e amigos. Procure por fotografias na frente no imóvel onde tenha destaque a fachada. Conseguiu fotos com alguma informação no Face? Vídeos de festa ou em locais públicos? Checkins? Imagens de bens rastreáveis? Nome de filhos ou Cônjuge que pode ser consultado? Alguém possui comércio ou negócio registrado no seu núcleo familiar? Vamos trabalhar essas informações! Bens rastreáveis: carros, motocicletas, caminhões podem ser rastreados através do DETRAN e CRVA, pôde-se ir atrás de certidões de propriedade e requerer a investigação em juízo! Consulte nos cartórios de imóveis da sua cidade. Endereço próximo: Algumas fotos são marcadas no Face e a informação da localização aparece na postagem. Muros ou fachadas de comércios que apareçam nas fotos ajudam muito na identificação do endereço próximo. Caso consiga esse endereço próximo, vá ao bairro e pergunte pelo réu, a informação vem rapidinho! Cadastros: plataformas seguras e confiáveis de busca de emprego ou rede social profissional ajudam muito na obtenção do endereço. Consulte os dados do réu junto ao seu órgão de classe. LinkedIn, plataforma Lattes, site da transparência (para servidores). Vale lembrar da consulta no cartório de protestos. Se nada disso funcionar, vou ensinar COMO CONSEGUIR ESSAS INFORMAÇÕES NO MODO HARD. #adv #direito #direitoporamor #advogada #advogadacivel #advogadacorrespondente #correspondentejuridico #advocaciadeapoio #localizador

17
0
4 months ago
Segundo o TRF 1, sim!

A Segunda Turma do TRF1 assegurou a uma servidora contratada pela UFRB sob regime especial temporário, o direito à estabilidade provisória conferida à gestante, à licença-maternidade remunerada de cento e oitenta dias e à manutenção do seu vínculo com administração pública, independentemente do término do contrato.

No julgado houve destaque para a proteção constitucional conferida à maternidade, que revela-se principalmente na vedação à despedida sem justa causa da empregada gestante desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto e na licença à gestante, sem prejuízo do salário e do emprego, com duração de cento e vinte dias, prorrogável por mais sessenta dias.

Desimporta, segundo o julgado, se a contratação foi temporária (onde não há estabilidade segundo o ESPU) ou por tempo determinado. É imperativo não obstar de modo algum seu direito fundamental de proteção à maternidade, tendo em vista que este decorre de norma constitucional.

O julgado é firme no sentido de que o direito da gestante está acima da caracterização de vínculo precário ou qualquer outra regra infraconstitucional.

Processo nº: 0006785-79.2015.4.01.3300/BA

 #concurso  #concurseiros  #concurso2020  #concursopublicos  #concursospublicosnapandemia  #ficaligado  #saibaseusdireitos  #direitoadministrativo

Segundo o TRF 1, sim! A Segunda Turma do TRF1 assegurou a uma servidora contratada pela UFRB sob regime especial temporário, o direito à estabilidade provisória conferida à gestante, à licença-maternidade remunerada de cento e oitenta dias e à manutenção do seu vínculo com administração pública, independentemente do término do contrato. No julgado houve destaque para a proteção constitucional conferida à maternidade, que revela-se principalmente na vedação à despedida sem justa causa da empregada gestante desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto e na licença à gestante, sem prejuízo do salário e do emprego, com duração de cento e vinte dias, prorrogável por mais sessenta dias. Desimporta, segundo o julgado, se a contratação foi temporária (onde não há estabilidade segundo o ESPU) ou por tempo determinado. É imperativo não obstar de modo algum seu direito fundamental de proteção à maternidade, tendo em vista que este decorre de norma constitucional. O julgado é firme no sentido de que o direito da gestante está acima da caracterização de vínculo precário ou qualquer outra regra infraconstitucional. Processo nº: 0006785-79.2015.4.01.3300/BA #concurso #concurseiros #concurso2020 #concursopublicos #concursospublicosnapandemia #ficaligado #saibaseusdireitos #direitoadministrativo

24
1
4 months ago
Opa, você não tem cara de Advogada.

Quem nunca ouviu isso?
Sabe, muito ouço essa frase.
Me pergunto o que leva alguém a ter cara de uma profissão.

Se exige do advogado uma postura mínima determinada pelo código de ética, mas são fatores de conduta, a cara, essa não está no estatuto.

O que me leva a pensar que as pessoas projetam coisas em nós que já existem numa espécie de inconsciente coletivo sobre a figura do advogado. Principalmente a mulher de salto e saia, o cara de terno e pasta.

Mas fique calmo, isso não pode te abalar. Abala às vezes, mas não deve.
Numa live da @comissaodeigualdaderacialdaabars colegas amigas, advogadas negras, comentaram que foram barradas na porta de fórum porque não foram vistas como advogadas.

Sim, isso existe no Brasil de hoje, de agora.

É certo? Claro que não! No caso delas existe uma outra questão que é o racismo, mas dentro da linha sobre ter ou não cara de advogado, esse é um recorte.

Mudar essa ideia do estereótipo poderia começar pelo outro que nos vê, mas não podemos mudar ninguém.

Nos cabe trazer essas questões à luz para refletirmos e tentar manter a ideia de que a advocacia de padrão estético é uma falácia.

Que a advocacia se faz no seu seio com o dever moral único de igualdade e equidade, combatendo todo e qualquer preconceito. Começa por nos advogados, advogadas, nos posicionarmos.

 #adv  #advocacia  #advogada  #jovemadvocacia

Opa, você não tem cara de Advogada. Quem nunca ouviu isso? Sabe, muito ouço essa frase. Me pergunto o que leva alguém a ter cara de uma profissão. Se exige do advogado uma postura mínima determinada pelo código de ética, mas são fatores de conduta, a cara, essa não está no estatuto. O que me leva a pensar que as pessoas projetam coisas em nós que já existem numa espécie de inconsciente coletivo sobre a figura do advogado. Principalmente a mulher de salto e saia, o cara de terno e pasta. Mas fique calmo, isso não pode te abalar. Abala às vezes, mas não deve. Numa live da @comissaodeigualdaderacialdaabars colegas amigas, advogadas negras, comentaram que foram barradas na porta de fórum porque não foram vistas como advogadas. Sim, isso existe no Brasil de hoje, de agora. É certo? Claro que não! No caso delas existe uma outra questão que é o racismo, mas dentro da linha sobre ter ou não cara de advogado, esse é um recorte. Mudar essa ideia do estereótipo poderia começar pelo outro que nos vê, mas não podemos mudar ninguém. Nos cabe trazer essas questões à luz para refletirmos e tentar manter a ideia de que a advocacia de padrão estético é uma falácia. Que a advocacia se faz no seu seio com o dever moral único de igualdade e equidade, combatendo todo e qualquer preconceito. Começa por nos advogados, advogadas, nos posicionarmos. #adv #Advocacia #advogada #jovemadvocacia

64
5
4 months ago
A decisão no carrossel trata de rediscussão de termos de acordo parental firmado sobre a alternância bianual da guarda entre o casal parental.

No caso das imagens a mãe rediscutiu a guarda alegando que a criança teria prejuízos aos deixar o lar materno para cumprir o tempo de guarda que seria do pai, dois anos em sua residência.

Para que um acordo dessa natureza seja feito, não só o melhor interesse da criança deve ser levado em consideração, mas também o ânimo das partes ao firmarem o acordo de parentalidade numa guarda alternada.

Isso porque essa modalidade somente é acolhida pelas partes, o judiciário entende, seguindo a literatura, que ela não é boa para a criança porque o menor seria aquele que teria que se readaptar constantemente às mudanças. Por mais cômodo que possa parecer aos pais essa guarda, ela não é benéfica.

Ao firmar um acordo que trate sobre alternância sempre há o risco da revisão, assim como em qualquer processo. É lícito mudar de opinião, é lícito pedir mudanças quando a situação fatica se altera. O problema nesse momento é optar por um instrumento de guarda que não recebe acolhida legal, levando os parentais, principalmente na insurgência de um conflito, a desejarem tal alteração.

Se beneficiará aquele que a estiver exercendo no momento da revisão, pois a criança já estará habituada com rotina, amigos, sociedade, escola, etc.

Ótima discussão trazida pela sentença, para nós advogados e advogadas possamos analisar as condições nas quais os acordos são feitos, visualizando pela sua adimplência🦋

 #guarda  #divrocio  #adv  #direito  #familia

A decisão no carrossel trata de rediscussão de termos de acordo parental firmado sobre a alternância bianual da guarda entre o casal parental. No caso das imagens a mãe rediscutiu a guarda alegando que a criança teria prejuízos aos deixar o lar materno para cumprir o tempo de guarda que seria do pai, dois anos em sua residência. Para que um acordo dessa natureza seja feito, não só o melhor interesse da criança deve ser levado em consideração, mas também o ânimo das partes ao firmarem o acordo de parentalidade numa guarda alternada. Isso porque essa modalidade somente é acolhida pelas partes, o judiciário entende, seguindo a literatura, que ela não é boa para a criança porque o menor seria aquele que teria que se readaptar constantemente às mudanças. Por mais cômodo que possa parecer aos pais essa guarda, ela não é benéfica. Ao firmar um acordo que trate sobre alternância sempre há o risco da revisão, assim como em qualquer processo. É lícito mudar de opinião, é lícito pedir mudanças quando a situação fatica se altera. O problema nesse momento é optar por um instrumento de guarda que não recebe acolhida legal, levando os parentais, principalmente na insurgência de um conflito, a desejarem tal alteração. Se beneficiará aquele que a estiver exercendo no momento da revisão, pois a criança já estará habituada com rotina, amigos, sociedade, escola, etc. Ótima discussão trazida pela sentença, para nós advogados e advogadas possamos analisar as condições nas quais os acordos são feitos, visualizando pela sua adimplência🦋 #guarda #divrocio #adv #direito #familia

33
1
4 months ago
Gire o carrossel para entender que o nicho não é necessariamente que define o seu cliente ideal, mas o que você tem a oferecer além disso.

Se o seu fluxo tem certas características, leve em conta isso para determinar as pessoas que serão potenciais clientes, visualizando quais delas estão mais alinhadas com seus valores e forma de atendimento.

Trace o perfil do seu cliente ideal a partir disso!

 #adv  #marketingdigital  #marketingparaadvogados  #advocaciaexpert  #advocacia  #jovemadvocacia

Gire o carrossel para entender que o nicho não é necessariamente que define o seu cliente ideal, mas o que você tem a oferecer além disso. Se o seu fluxo tem certas características, leve em conta isso para determinar as pessoas que serão potenciais clientes, visualizando quais delas estão mais alinhadas com seus valores e forma de atendimento. Trace o perfil do seu cliente ideal a partir disso! #adv #marketingdigital #marketingparaadvogados #advocaciaexpert #Advocacia #jovemadvocacia

21
0
4 months ago
Pensar, planejar, organizar e executar, passos que devem ser seguidos nessa ordem para uma boa estratégia tanto nas redes sociais quanto no dia-a-dia de tudo. Isso te faz pensar sobre o futuro, mas também sobre o passado, os dois igualmente importantes, pois é impossível que saibamos quem somos no presente sem que conheçamos que fomos no passado.

Advocacia posicionada!

 #advocacia  #adv

Pensar, planejar, organizar e executar, passos que devem ser seguidos nessa ordem para uma boa estratégia tanto nas redes sociais quanto no dia-a-dia de tudo. Isso te faz pensar sobre o futuro, mas também sobre o passado, os dois igualmente importantes, pois é impossível que saibamos quem somos no presente sem que conheçamos que fomos no passado. Advocacia posicionada! #Advocacia #adv

65
6
4 months ago
A 7ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) reverteu a despedida por justa causa de um motorista de ônibus. O autor foi penalizado pela empregadora, uma empresa de transportes de passageiros, por ter se envolvido em um acidente de trânsito. Porém, para os desembargadores, não foi comprovada a imprudência do empregado no incidente. O colegiado converteu a despedida para sem justa causa. Assim, o motorista tem o direito de receber as verbas rescisórias desta modalidade de extinção contratual.

O colegiado fundamentou que o empregado atuava na mesma função há oito anos e nunca havia se envolvido em algum incidente de deslocamento. Além disso, a colisão ocorreu em uma pista em obras e sem sinalização. Também foi considerado que outros empregados da reclamada não foram punidos com a justa causa quando envolvidos em situação idêntica. A decisão unânime da Turma reformou, no aspecto, a sentença proferida pelo juízo da 5ª Vara do Trabalho de Porto Alegre.

Fim do corpo da notícia.
Fonte: Bárbara Frank (Secom/TRT-RS). Imagem de Depositphotos (Syda_Productions).

A 7ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) reverteu a despedida por justa causa de um motorista de ônibus. O autor foi penalizado pela empregadora, uma empresa de transportes de passageiros, por ter se envolvido em um acidente de trânsito. Porém, para os desembargadores, não foi comprovada a imprudência do empregado no incidente. O colegiado converteu a despedida para sem justa causa. Assim, o motorista tem o direito de receber as verbas rescisórias desta modalidade de extinção contratual. O colegiado fundamentou que o empregado atuava na mesma função há oito anos e nunca havia se envolvido em algum incidente de deslocamento. Além disso, a colisão ocorreu em uma pista em obras e sem sinalização. Também foi considerado que outros empregados da reclamada não foram punidos com a justa causa quando envolvidos em situação idêntica. A decisão unânime da Turma reformou, no aspecto, a sentença proferida pelo juízo da 5ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. Fim do corpo da notícia. Fonte: Bárbara Frank (Secom/TRT-RS). Imagem de Depositphotos (Syda_Productions).

15
0
4 months ago